Carregando tradução..
Carregando...
PABX (12) 3209-1918
(12) 98158-9882
Atendimento online
Whatsapp
Conheça São José São José dos Campos é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localizado no Vale do Paraíba, São José dos Campos é um importante tecnopolo de material bélico, metalúrgico e sede do maior complexo aeroespacial da América Latina.

Estão instaladas na cidade importantes empresas como Panasonic, Johnson & Johnson, General Motors (GM), Petrobras, Ericsson, Monsanto, Mectron, Embraer (sede), entre outras. Possui importantes centros de ensino e pesquisas como: o Centro Técnico Aeroespacial (CTA), o Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Instituto de Estudos Avançados (IEAv), o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Instituto de Fomento Industrial (IFI), Centro de Computação da Aeronáutica de São José dos Campos (CCASJ), o Instituto de Pesquisa & Desenvolvimento (IP&D), a UNIVAP, a UNIP, a UNIFESP, a ETEP, a FATEC e a UNESP.

São José dos Campos faz parte do Complexo Metropolitano Expandido da cidade de São Paulo, que é formado pelas regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e Santos,e as cidades de São José dos Campos, Sorocaba e Jundiaí, e cuja a população somada ultrapassa os 31 milhões de habitantes.

São José é a sexta maior cidade do estado de São Paulo, incluindo-se ai a Região Metropolitana, 26ª maior do Brasil e a segunda maior cidade do interior do Brasil, atrás apenas de Campinas e a frente de cidades como Uberlândia, Sorocaba, Santos e Ribeirão Preto.

História:


Quando o rei Felipe II de Portugal assinou a lei de 10 de setembro de 1611 que reconhecia a liberdade dos índios, (mas admitindo-lhes o cativeiro em caso de guerras ou de antropofagia), e que regulamentava os aldeamentos indígenas nos pontos que melhor conviessem aos interesses do Reino de Portugal, muitos índios do Planalto de Piratininga, onde se localizava a Vila de São Paulo de Piratininga, deslocaram-se para o interior da Capitania de São Vicente, para os sertões.

Entre os 11 antigos aldeamentos dos padres da Companhia de Jesus, os jesuítas, ao redor da Vila de São Paulo do Piratininga e por eles administrados, figurava, no vale do rio Paraíba do Sul, a leste da Vila de São Paulo, o aldeamento de São José localizado no bairro do Rio Comprido, a dez quilômetros de onde hoje se situa o centro da atual cidade de São José dos Campos.

Ao todo os jesuítas fizeram onze aldeamentos, ao redor de São Paulo, entre eles, a aldeia de São Miguel Paulista, a aldeia dos índios Guarulhos, a aldeia da Escada, hoje Guararema, e a aldeia de Carapicuíba.

Os padres jesuítas trazendo mais alguns silvícolas, conseguiram entrar em entendimentos com os índios guaianases e dar certa vida ao aldeamento, mas, devido às desvantagens da localização deste, resolveram buscar um ponto melhor. Em 1643, a aldeia de São José foi transferida para onde é hoje a Praça do Padre João Guimarães no centro da cidade.

De 1643 a 1660, os religiosos e vários povoadores obtiveram para os índios diversas léguas de terras, em sesmarias concedidas, em 1650, pelo Capitão-Mór da Capitania de São Vicente Dionísio da Costa. Essas terras situavam-se em magnífica planície, onde hoje se acha atualmente o centro de São José dos Campos.

A aldeia de São José, a partir de 1653, passa a pertencer à Vila de Jacareí, criada naquele ano e desmembrada da vila de Mogi das Cruzes, e pertencente à Capitania de São Vicente.

A aldeia de São José estava, portanto, situada nos limites da Capitania de São Vicente com a Capitania de Itanhaém, a qual compreendia o restante do Vale do Paraíba paulista e seguia até Angra dos Reis e compreendia, também, parte do litoral sul paulista.

Sabe-se ainda que a organização urbana no plano teórico e prático da aldeia é obra atribuída ao padre jesuíta Manuel de Leão, cuja principal ocupação era a de ser administrador, estando em São Paulo desde o ano de 1663, encontrava-se à frente das fazendas mais remotas. Entre estas, figurava-se o aldeamento em solo joseense.

Toda a região do Vale do Paraíba sofreu um esvaziamento populacional com as descobertas do ouro nas Minas Gerais dos Goitacases a partir de 1692.

Em 1710, a Capitania de Itanhaém e a Capitania de São Vicente (que, a partir de 1683, passou a se chamar Capitania de São Paulo, com a transferência da capital da capitania para São Paulo), passaram a integrar a nova "Capitania de São Paulo e Minas do Ouro".

A aldeia de São José progredia mais e mais, passando a ser denominada "Vila Nova de São José", quando se tornou vila em 1767.

Em 1759, os jesuítas foram expulsos do reino de Portugal e das suas colônias pelo Marquês de Pombal; Com isso, alguns brancos agregaram-se aos índios sob a direção de José de Araújo Coimbra, Capitão-Mor da Vila de Jacareí e deram impulso à povoação.

O governador-geral da recém recriada Capitania de São Paulo, (que havia sido extinta em 1748 e anexada a do Rio de Janeiro), D. Luís António de Sousa Botelho Mourão, o Morgado de Mateus, criou várias vilas para dar impulso à Capitania. Havia décadas que não se criavam vilas ao sul do Rio de Janeiro.

Assim, em 27 de Julho de 1767, pelo Ouvidor e Corregedor Salvador Pereira da Silva, foi criada a nova vila com o nome de "Vila Nova de São José", depois Vila de São José do Sul, e, mais tarde, Vila de São José do Paraíba.

No mesmo dia 27 de julho, foram eleitos os três primeiros vereadores da nova vila, os quais eram índios, dando início à sua autonomia administrativa. Os primeiros oficiais da Câmara da nova vila foram: Juízes Ordinários: Fernando de Sousa Pousado e Gabriel Furtado; vereadores: Vicente de Carvalho, Viríssimo Correia e Luís Batista; Procurador: Domingos Cordeiro.

A nova vila foi desmembrada do termo da Vila de Jacareí - sem ter sido antes freguesia. A freguesia só foi criada pela Ordem de 3 de novembro de 1768 e instalada em 1769.

O Coronel José Arouche de Toledo Rondon, em uma pesquisa sobre as 11 antigas aldeias jesuíticas ( Memória das Aldeias de São Paulo), em 1800, registra a grande pobreza da Vila de São José.

A principal dificuldade de São José era o fato de a "Estrada Real", que ligava São Paulo ao Rio de Janeiro, passar fora de seus domínios. O algodão teve uma rápida evolução na região quando São José conseguiu algum destaque e cuja produção atinge seu apogeu em 1864.

Em 22 de abril de 1864, pela lei provincial nº 27, foi elevada a categoria de cidade.

A Lei provincial nº 47, de 4 de abril de 1871, mudou-lhe a denominação para São José dos Campos. Pela Lei provincial n° 46, de 6 de abril de 1872, foi criada a Comarca de São José dos Campos.

A partir de 1871, o município passou por duas fases distintas: o desenvolvimento agrícola - com forte preponderância da cultura do café - e a criação da estância climática, consequência natural de seus bons ares.

Quase simultaneamente, há o desenvolvimento da cultura cafeeira no Vale do Paraíba que começa a ter alguma expressão a partir de 1870, já contando, inclusive com a participação de São José.

No entanto, foi no ano de 1886, quando já contava com o apoio de uma estrada de ferro ligando São Paulo ao Rio de Janeiro, que mais tarde foi chamada de Estrada de Ferro Central do Brasil, inaugurada em 1877, que a produção cafeeira joseense teve seu auge, mesmo num momento em que já acontecia a decadência dessa cultura na região, conseguindo ainda algum destaque até por volta de 1930. A antiga estação de trem ficava na confluência da rua Euclides Miragaia com a avenida João Guilhermino, sendo transferida na década de 1920 para o seu lugar atual


Rui Barbosa, candidato civilista.


Em 15 de dezembro de 1909, a cidade parou para receber e saudar, na antiga estação de trem, próximo da atual Avenida João Guilhermino com a Rua Euclides Miragaia, o candidato a presidente da república Rui Barbosa apoiado pelos paulistas, na campanha civilista. No livro "Excursão Eleitoral pelo Estado de São Paulo", é dito que foi saudado pelo dr. Francisco Rafael e Araujo e Silva e que a banda "Euterpe Santanense" executou o Hino Nacional e é assim, descrito, o entusiasmo do povo:



Na década de 1910, surge a primeira ponte sobre o rio Paraíba, uma ponte metálica de 80 metros de comprimento, ligando o centro da cidade e o Bairro de Santana à zona norte do município e a Minas Gerais. Esta ponte foi elogiada como moderna, em 1917, no "Primeiro Congresso Paulista de Estradas de Rodagem ", que teve suas atas publicadas em livro homônimo.

A inauguração da primeira rodovia que atravessava o Vale do Paraíba deu novo impulso à região. A Estrada São Paulo-Rio, que ligou São Paulo a Bananal, em 1924, construída pelo presidente do estado de São Paulo Dr. Washington Luís, que, em 1928, já como presidente da república, concluiu a rodovia até a cidade do Rio de Janeiro. Essa estrada ainda existe, no trecho paulista, com diversas denominações como SP-62, SP-64, SP-66 e SP-68 e é conhecida como "Estrada Velha".


Presidente Washington Luis.


Na sua mensagem ao Congresso do Estado de São Paulo, em 1922, o Dr. Washington Luís mostra como melhorou os transportes no Vale do Paraíba devido à sua prioridade "Governar é Abrir Estradas". As primeiras obras rodoviarias de seu governo, (1920-1924), foram no Vale do Paraíba:



Na década de 1920, surgem as primeiras unidades industriais: os Laticínios Vigor, a Fábrica de Louças Santo Eugênio, a Cerâmica Paulo Becker, a Tecelagem Parahyba e a Cerâmica Weiss.

A procura do município de São José dos Campos para o tratamento de tuberculose pulmonar, teria se tornado perceptível no início deste século, devido às condições climáticas supostamente favoráveis. Entretanto, somente em 1935, quando o município foi transformado em Estância Climática e depois Estância Hidromineral, que São José passou a receber recursos oficiais que puderam ser aplicados na área sanatorial, por outro lado, São José passou a ter prefeitos nomeados, chamados de "prefeitos sanitaristas". Através de lei estadual de 1977, São José pode voltar a eleger seus prefeitos, sendo que a primeira eleição para prefeito, se deu, então, em 15 de novembro de 1978. Foram sete os principais sanatórios: O Vicentina Aranha, pertencente à Santa Casa de São Paulo, inaugurado em 1924, pelo presidente de São Paulo Dr. Washington Luís, o Vila Samaritana, pertencente à comunidade evangélica, o Ezra, pertencente à comunidade judaica, o Maria Imaculada e o Sanatório Antoninho da Rocha Marmo, pertencentes à Igreja Católica, o Ruy Dória, criado e pertencente ao médico Dr. Ruy Rodrigues Dória, e o Sanatório Ademar de Barros, criado pelo governador Dr. Adhemar Pereira de Barros e dirigido e mantido pela "Liga de Assistência Social". Existiu também na rua Paraibuna, o Sanatório São José, do doutor Jorge Zarur. Os sanatórios foram assim, esforço coletivo de todas as comunhões religiosas, de particulares e estadistas idealistas.

Além do Dr. Ruy Dória, se destacaram como médicos sanitaristas: Jorge Zarur, Orlando Campos, João Batista de Souza Soares, Ivan de Souza Lopes, Décio Lemes Campos, Amaury Louzada Velozo e Nelson Silveira D´Avila.

Muitos doentes que não conseguiam vagas nos sanatórios, ficavam nas pensões, principalmente aquelas da rua Vilaça, perto do sanatório do Dr. Ruy Dória.


A consolidação da Urbanização.


O processo de industrialização do município toma impulso a partir da instalação do ITA e do Centro Técnico Aeroespacial-CTA, em 1950, e posteriormente do INPE e também com a inauguração da Rodovia Presidente Dutra em 1951, possibilitando assim uma ligação mais rápida entre Rio de Janeiro e São Paulo, pela primeira vez, em estrada asfaltada, e cortando a parte urbana de São José dos Campos. Nessa mesma época, doaram-se terrenos às margens da nova rodovia, onde se instalaram várias fábricas, iniciando-se a industrialização da cidade. Novo impulso foi dado com a duplicação da Rodovia Presidente Dutra, obra iniciada em 1964 e concluída em 1967.

Em 1969, a criação da EMBRAER, originada em um setor de desenvolvimento de aeronaves do CTA, chamado PAR, coloca a cidade em uma nova era de desenvolvimento tecnológico, gerando muitos empregos e mão-de-obra especializada, sendo atualmente a maior empregadora da cidade, e fazendo que a cidade seja considerada a Capital do Avião. Fundamental para o desenvolvimento da EMBRAER foi a mão de obra especializada formada pelo ITA.


Refinaria de Petróleo.


Em 1977, a inauguração da REVAP trouxe mais empregos e tecnologia à cidade, a qual, atualmente está sendo ampliada. Também, neste ano, a cidade recuperou sua autonomia administrativa, voltando a eleger seus prefeitos.

Em 1994 é inaugurado um novo acesso da cidade de São Paulo à região de São José dos Campos, a rodovia Carvalho Pinto. A conjunção desses fatores permitiu que o município caminhasse para o potencial científico-tecnológico em que se encontra.

Atualmente, em São José, está sendo instalado um parque tecnológico estadual, com instituições de ensino e de pesquisa na área de tecnologia voltadas para as indústrias típicas da cidade como a área aeronáutica e aeroespacial. Geografia:


Fotografia aérea de parte da zona sul da cidade.
• Área total: 1.099,60 km² (por volta de 425 milhas)
• área urbana: 298,99 km² (27,19%)
• área urbana de expansão (leste): 45,04 km² (4,09%)
• área urbana de expansão (oeste): 81,18 km² (7,38%)
• área rural: 673,39 km² (61,23%)


São José dos Campos esta localizada no entorno da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), e sua aglomeração urbana, com cidade vizinha, já passa de 820 mil de habitantes. Na Assembleia Legislativa de São Paulo existem propostas para a criação da região metropolitana do Vale do Paraíba.

Topografia:


Montanhosa, com colinas ao norte que variam de 660 a 975 metros, denominadas "mar de morros"; terraços e colinas tubulares, onde encontra-se a parte urbana da cidade; as serras do Planalto Atlântico, cujas altitudes atingem 800 metros, além das regiões alpinas, compostas por morros, serras e picos, com altitudes que variam de 619 a 2.082 metros, figurando entre os 32 pontos mais altos do país.

Meio ambiente:



Vista do Banhado.


O Parque Municipal Roberto Burle Marx (conhecido como parque da cidade) tem uma área de 516 mil metros quadrados, contando com boa infraestrutura ligada ao esporte e frequentado principalmente para a realização de caminhada, conta com dois lagos e alguns animais nativos da região como a capivara, foi a residência da família Gomes.

O cartão postal de São José dos Campos, o Banhado, tem uma área de proteção ambiental de 4,32 milhões de metros quadrados em frente ao centro da cidade, no momento a favela localizada no local esta congelada e existem a atividade agrícola vem diminuindo, embora ainda este local seja conhecido pelo tráfico de drogas.

A Reserva Ecológica Augusto Ruschi, com dois milhões e meio de metros quadrados, fora do perímetro urbano, é uma Área de Proteção Ambiental de espécies nativas.

São Francisco Xavier, distrito do município, tem a metade de sua área (que é de 322 quilômetros quadrados) definida como Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira.

O Parque Santos Dumont abriga duas Escolas de Educação Infantil, playground, jardim japonês, lago com criação de peixes, criação de aves, quiosques com churrasqueiras, pista para cooper, pista de skate, quadra poliesportiva e aparelhos para ginástica. Nos jardins bem cuidados encontram-se em exposição um avião Bandeirante, sondas fabricadas pelo INPE, assim como uma réplica em aço escovado do avião 14 Bis. Está prevista, para breve, a construção de uma réplica da "Casa Encantada", seguindo o projeto original daquela erguida por Alberto Santos Dumont no município de Petrópolis. A proposta é transformar a bela área verde em parque temático, em homenagem ao pai da aviação. O Parque tem cerca de 46 mil m².

Clima:


O clima é úmido e tropical de altitude.

As chuvas abundantes vão de novembro a março, correspondendo a 72% do volume anual, ficando os 28% restantes entre maio e outubro. A umidade relativa média anual é de 76%. As massas de ar tropical predominam durante 50% do ano, seguidas pelas de ar frio.

A temperatura média anual gira em torno dos 21°C, sendo o mês mais frio julho (Média de 15°C) e o mais quente fevereiro (Média de 23°C). Abaixo estão as médias históricas de temperatura na cidade:



Subdivisões:


O município é composto por três distritos: São José dos Campos, Eugênio de Melo e São Francisco Xavier criado em 1892. O último é conhecido pelos locais naturais e pelo ecoturismo.

O município de São José dos Campos é dividido em cinco zonas administrativas: Centro, Norte (Santana, Alto da Ponte, Jardim Telespark, Vila Paiva, Buquirinha, Altos de Santana), Sul (Vila São Bento, Parque Industrial, Jardim Satélite, Jardim Morumbi, Residencial União, Dom Pedro I e II, Campo dos Alemães, Bosque dos Eucaliptos, Jardim Portugal,Colonial, Capuava, Jardim Torrão de Ouro, Parque Interlagos, Jardim São Judas Tadeu, Putim) , Leste (Vila Industrial, Vista Verde, Vila Tesouro , Novo Horizonte , Nova Esperança , Galo Branco , Campos de São José , Santa Inês, Pararangaba) e Oeste (Urbanova, Aquarius, Vale dos Pinheiros, Jardim das Indústrias, Limoeiro).

Possui dois distritos administrativos: São Francisco Xavier e Eugênio de Melo.


Vista panorâmica de São José dos Campos à noite.


Demografia



• População estimada: (IBGE/2010): 627.544 habitantes[5]
• Densidade populacional (2007): 553,8 hab/km²

A grande população foi resultado de migração de outras regiões do país. Como consequência, em 1991, pessoas que nasceram em São José dos Campos representavam apenas 47% da população (de acordo com IBGE). De acordo com nova pesquisa da Univap, este número cresceu para 48,83% em 2004.

Na cidade, a população (de acordo com censo de 2000) 48,06% das pessoas tinham menos de 24 anos, 38,52% de 24 a 49 anos, 13,4% com 50 anos ou mais.



Política



• Prefeito: Eduardo Pedrosa Cury[1] (PSDB) (2009/2012)
• Vice-prefeito: Dr. Luiz Antônio (PSB)
• Presidente da câmara - 2009: Alexandre da Farmácia (PR)

Cidades-irmãs




• Kadoma (1973)


Jardim Japonês em praça da Zona Oeste.


• Jacareí (1962)
• Caçapava(1971)

Um jardim japonês está aberto a visitas no Parque Santos-Dumont, celebrando a irmandade das cidades.

Economia



São José dos Campos é um importante tecnopólo de material bélico, metalúrgico e sede do maior complexo aeroespacial da América Latina.

Centros comerciais



Ainda no setor de negócios, os sofisticados shoppings aparecem como um motivo de visitação na cidade. Os centros de compra são:

• Center Vale Shopping
• Vale Sul Shopping
• Shopping Colinas
• Shopping Centro
• Aquarius Shopping
• Shopping Esplanada
• Espaço Andrômeda Shopping
• JK Centro Comercial

Turismo



São José dos Campos fez parte do Programa Nacional de Municipalização do Turismo, atualmente substituído pelo Plano Nacional do turismo, ao qual está ligado através do Conselho Municipal de Turismo. Cabe a este conselho a elaboração do plano diretor para o desenvolvimento turístico bem como a emissão de pareceres para o BNDES e agentes especializados, recomendando ou não empréstimos financeiros de uma linha especial de créditos, criada pela Secretaria Nacional de Turismo e pela EMBRATUR.

Setor tecnológico e de negócios

Com polo de indústrias aeroespaciais, de telecomunicações e automotivas, o município atrai grande contingente de visitantes com interesse voltado para a tecnologia de ponta que aqui se desenvolve. São destaque também os institutos de pesquisas INPE e CTA, que trabalham com desenvolvimento das ciências aeroespaciais.

Recursos naturais, artificiais e culturais

Com 62,62% de sua área territorial considerada como Área de Proteção Ambiental, São José dos Campos oferece grandes atrativos como o Parque da Cidade, com seus jardins executado por Burle Marx e a antiga residência de Olivo Gomes, com projeto arquitetônico de Rino Levi. Além disso, oferece, também, o Horto Florestal, o Banhado, ampla área verde avistada de toda a região central, e o seu Patrimônio Histórico.

Recentemente instalado, o Memorial Aeroespacial fica localizado ao lado da EMBRAER e do aeroporto da cidade. O local conta com aviões e foguetes em exposição na área externa. Próximo a um belo lago, um monumento foi erguido em homenagem aos pesquisadores mortos no acidente ocorrido na cidade de Alcântara, MA, na maioria, funcionários do CTA. Há, ainda, um galpão que conta um pouco da história da instalação do ITA, do desenvolvimento do carro a álcool e da indústria aeroespacial brasileira.

Outro atrativo cultural é a Villa Medieval, onde está instalado o Centro de Artes Suzana Laïs de Mendonça, com espaço utilizado para apresentações de dança e de música erudita e clássica. As construções são inspiradas em castelos da época medieval.

O distrito de São Francisco Xavier

Este distrito possui um "turismo espontâneo" que vem se desenvolvendo cada vez mais devido aos belos locais para visita que apresenta, como cachoeiras, trilhas, e regiões alpinas.

Infraestrutura



Transportes




Via Dutra, trecho que corta São José dos Campos.


São José dos Campos é servida por uma ampla malha rodoviária no caso a Via Dutra, que permite um rápido acesso à capital paulista, Rio de Janeiro, Litoral Norte e Serra da Mantiqueira. Apesar de dispor de um aeroporto, normalmente o joseense utiliza-se dos serviços do Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, que localiza-se a apenas 70 km de São José.

A cidade conta com dezenas de linhas de ônibus urbano e interurbano, ligando cidades vizinhas, como Taubaté, Jacareí, Caçapava, Monteiro Lobato, Jambeiro, Paraibuna, Guararema, Santa Isabel e até Mogi das Cruzes. Atualmente três empresas operam o sistema de ônibus urbano (Saens Peña, no lote 1; Julio Simões, no lote 2 e Expresso Maringá, no lote 3), estão em andamento projetos que propõem a integração total das linhas, acabando com a atual desorganização do transporte público e gerando uma maior adesão a este meio, contribuindo assim para a diminuição da poluição do município que tem se agravado. O número de veículos atual esta próximo de 400 ônibus coletivos.

O aeroporto do município é o Aeroporto de São José dos Campos, utilizado para voos comerciais civis e para uso militar. Também é utilizado pela EMBRAER. Hoje está se transformando em um importante aeroporto comercial do estado, com voos diários para vários destinos no Brasil, pela Azul Linhas Aéreas e a TRIP Linhas Aéreas. A Lufthansa Cargo realiza um voo por mês com destino a Frankfurt, com escalas em Recife e em Las Palmas, Espanha.


Aeroporto de São José dos Campos.


Rodovias



• BR-116 - Rodovia Presidente Dutra - Rodovia que divide São José dos Campos ao meio, cortando a cidade no eixo sudoeste-nordeste. Devido ao grande fluxo de veículos, duas pistas marginais foram construídas ao longo da rodovia, entre os quilômetros 143 (próximo ao Center Vale) e ao 147 (Próximo ao hipermercado Carrefour - Unidade Aquarius). Todavia, o tráfego continua intenso nas extremidades dessas marginais, o que torna inevitável futuras extensões, sudoeste até Jacareí, e nordeste até o bairro do Vista Verde.

• SP-50 - Rodovia Monteiro Lobato - Estrada que liga São José à Campos do Jordão. É conhecida como a Estrada Velha de Campos e o mais antigo acesso da cidade serrana à Via Dutra.

• SP-99 Rodovia dos Tamoios - Estrada que inicia-se em São José dos Campos e termina em Caraguatatuba, no Litoral Norte. Atualmente encontra-se saturada, e o governo do estado de São Paulo já sinalizou que a via em breve deve ser duplicada.

• SP-70 - Rodovia Carvalho Pinto - Liga a Rodovia Ayrton Senna até a cidade de Taubaté. Acesso a São José dos Campos a partir da Rodovia dos Tamoios, com a qual faz conexão.

• SP-65 - Rodovia Dom Pedro I - Liga São José dos Campos, Jacareí e o outras cidades do Vale do Paraíba à cidade de Campinas e sua Região Metropolitana. Apesar de iniciar-se no município limítrofe de Jacareí, seu acesso a partir de São José é rápido e fácil, podendo ser feito tanto a partir da Via Dutra quanto da Carvalho Pinto.

• SP-66 - Rodovia Geraldo Scavone - Trecho remanescente da antiga estrada Rio-São Paulo e que faz a ligação do município com Jacareí.

• SP-62 - Rodovia Prefeito Edmir Vianna Moura - Trecho remanescente da antiga estrada velha Rio-São Paulo e que faz a ligação do distrito de São José dos Campos com o distrito de Eugênio de Melo e com o municipio de Caçapava.[18]

Ferroviário



A Estrada de Ferro Central do Brasil corta São José dos Campos ao Norte, próximo ao rio Paraíba do Sul. Foi administrada até recentemente pela estatal RFFSA e atualmente o transporte de cargas ao longo da sua via é realizado sob os auspícios da concessionária MRS Logística.

Embora no passado o transporte ferroviário de passageiros tenha tido uma grande importância para a população joseense, atualmente não existe trem de passageiros ligando São José à capital ou ao Rio de Janeiro e demais cidades do Vale do Paraíba. Todavia, existe um plano de um trem de alta velocidade entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, com uma parada na cidade.

Metrô de superfície



Com mais de 900 indústrias, rodovias de grande movimento no perímetro urbano, e uma frota de cerca de 259 mil veículos, São José sofre atualmente com graves problemas de poluição. Estudo feito por pesquisadores do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) revela que o ar está poluído em São José dos Campos, inclusive no distrito de São Francisco Xavier, que se imaginava estar fora do alcance de poluentes atmosféricos.

Além disso, a crescente frota de veículos para uma população relativamente pequena (aproximadamente 600 mil habitantes) redunda no agravamento do problema de poluição atmosférica. O sistema viário da cidade possui insolúveis pontos de estrangulamento, tais como o "gargalo" na passagem da Avenida Jorge Zarur (vidoca) sob a Via Dutra, ou a estreita Avenida Juscelino Kubitschek (única alternativa de ligação à Zona Leste, excluindo a já congestionada Via Dutra).

Para solucionar o problema de transporte público e melhorar a qualidade do ar, existem planos para a implantação de um Metrô de Superfície em São José, que também deve ligar a cidade de Jacareí. O Metrô de São José dos Campos deve ser similar ao implantado em cidades como Porto, Portugal, e que deve ser implantado em breve na cidade de Goiânia.

Educação




Biblioteca do ITA, desenhada por Oscar Niemeyer.


São José dos Campos é um centro de pesquisas importante no Brasil. O INPE tem seu quartel-general na cidade e coordena pesquisas e desenvolvimento em áreas como observação da Terra e ciências e tecnologias espaciais. O CTA também tem sua sede na cidade.

A cidade conta com 212 pré-escolas, 76 escolas de ensino médio e outras 179 de ensino fundamental, entre públicas e privadas.

A grande maioria dos cursos de ensino superior da cidade é fornecida por Universidades particulares, sendo do total de 53.064 alunos 36.546 em instituições privadas segundo o Semesp.

Instituições de ensino superior públicas

• FATEC (CEETEPS - Centro Paula Souza) - Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos - Rodovia Presidente Dutra, km 138,7 - Distrito Eugênio de Melo
• ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica - Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 - Vila das Acácias
• ICEA- Instituto de Controle do Espaço Aéreo - Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 - Vila das Acácias. (cursos relativos ao controle de tráfego aéreo)
• Unesp - Universidade Estadual Paulista - Eng. Francisco José Longo, 777 (Odontologia)
• Unifesp - Universidade Federal de São Paulo. (Bacharelado em Ciências da Computação e Bacharelado em Matemática Computacional)

Instituições de ensino superior privadas

• UNITAU - Universidade de Taubaté - Pública (Fora de sede)[21]
• IBTA Instituto Brasileiro de Tecnologia Avançada, que recentemente se unificou com o INEA/Ibmec (2007)
• INPG Instituto Nacional de Pós-Graduação
• UNIVAP - Universidade do Vale do Paraíba
• UNIP - Universidade Paulista
• ETEP - Escola Técnica Everardo Passos
• EEI - Escola de Engenharia Industrial (campus da ETEP)
• FAAP- Fundação Armando Álvares Penteado
• UNIANHANGUERA - Faculdade Comunitária Anhanguera Educacional
• EADCON - Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Universidade do Tocantins (UNITINS), Faculdade Educacional da Lapa (FAEL) (Pólo EAD)
• UNICOC - Universidades Integradas COC (Pólo EAD)
• UNOPAR - Universidade Norte do Paraná (Pólo EAD)
• UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro (Pólo EAD) - Pública Federal
• ULBRA - Universidade Luterana Brasileira (Pólo EAD)
• UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto (Pólo EAD) - Pública Federal
• UNINTER - Universidade Internacional (Pólo EAD)
• CLARETIANO - Centro Universitário Claretiano (Pólo EAD)
• FATECEX - Faculdade de Tecnologia Expoente
• FAETEL - Faculdade Teológica de Ciências Humanas e Sociais Logos
• UMESP - Universidade Metodista de São Paulo (Pólo EAD)
• FGV - Fundação Getulio Vargas - Programa FGV Management
• OLAVO BILAC - Faculdade Olavo Bilac

Instituições públicas de ensino técnico

• CEPHAS - Centro de Educação Profissional Hélio Augusto de Souza
• ETEC - Escola Técnica Estadual

Ciência



Centros de pesquisa

• Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
• Comando Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA) com seus institutos: o Instituto de Estudos Avançados (IEAV), o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Instituto de Fomento Industrial(IFI), Centro de Computaçao da Aeronáutica de São José dos Campos (CCASJ)
• Instituto de Pesquisa & Desenvolvimento - IP&D UNIVAP

Cultura


Culinária



A receita típica de São José é o famoso bolinho caipira, iguaria feita de farinha de milho e recheada de carne, muito apreciada no Vale do Paraíba. O bolinho caipira é um prato típico em festas juninas, sendo consumido principalmente nessa época do ano.

Esportes



A cidade tem diversos clubes esportivos, são eles o Clube Luso-brasileiro, Tênis Clube São José (importante centro de basquete e de vôlei do interior paulista), Associação Esportiva São José (entidade desportiva de ponta em natação; oferece ainda cursos de golfe em seu clube de campo, o Santa Rita), o Thermas do Vale (que conta com um bom parque aquático) e AD Parahyba.

Tênis Clube e a A.E. São José sediaram o 35º Banana Bowl, da International Tennis Federation Juniors Circuit, em 2005 e 2006.

O principal estádio de futebol da cidade, o Estádio Martins Pereira, tem capacidade para receber 16.500 pessoas. O estádio está construído pela metade, uma vez que o anel superior, previsto no projeto original, nunca foi construído. O Martins Pereira é palco de jogos dos times profissionais da cidade, além de abrigar alguns torneios amadores, assim como eventos de grande público.

A cidade conta também, com clubes tradicionais como a AASP - Associação Atlética Santana do Paraíba, fundada em 1914, do bairro de Santana e o Esporte Clube Oriente, pertencente ao bairro Jardim Oriente, que são um dos grandes times da história do município, com vários títulos conquistados no decorrer dos anos, lançando vários jogadores ao mercado da bola.

As principais equipes da cidade são :




enviando...